Uma nova realidade. Um novo mundo está se formando?

Uma nova realidade. Um novo mundo está se formando?

Uma nova realidade. Um novo mundo está se formando?Claro que não, apenas uma nova realidade (mudanças) está sendo formada diante de nossos olhos (percepção).

Tudo que é novo e traz mudança implica em desafios de transformação e transcendência interna.

Teremos que aprender a mudar o mundo sim, mas com um ‘novo olhar’, pela percepção do ‘planeta’ que começa dentro de nós.

Quem eu sou? O que sinto?

O ‘isolamento social’, no qual prefiro chamar de ‘retiro domiciliar’, que todos nós estamos passando, tem diversas mensagens a nos transmitir.

O afastamento social significa momentos que temos com nós mesmos, é um convite para olharmos com atenção ao “por que estamos aqui?”.

Sopro = espiritualidade reinando!

Os problemas respiratórios, causados pelo vírus, nada mais são do que sinais para observarmos o nosso interior, nossa respiração, nossas emoções, nosso sopro…

Já o uso da máscara – obrigatório ao sair para as ruas, mas sem necessidade de uso dentro de nossos lares – pode ter outro significado. Nesse caso, podemos interpretar sob duas óticas: quem sou eu, sem ela? Quem sou eu, com ela?

Na simbologia dos significados intrínsecos, a máscara pode suscitar alguns questionamentos: Qual a minha verdadeira identidade, o meu verdadeiro EU?
O quanto na minha vida, uso máscaras? E para quê?

O não poder contatar e tocar, nos remete a algumas reflexões importantes sobre: “O que sente e quem te toca? O que te dá sentido à vida?”

Vamos vibrar a consciência para ela se expandir!

Uma nova realidade. Um novo mundo está se formando?É preciso parar de ir somente na direção da razão e projeções futuras e encontrar o caminho do sentir e viver o presente: “As coisas só têm sentido quando são sentidas”.

Não há necessidade de entender e concluir tudo o que acontece com a gente, afinal, não existem respostas prontas para todas as indagações. Despertar para a sabedoria da incerteza é um caminho sábio do despertar da consciência.

Desenvolver o espaço interno de observador desapegado, sem julgamentos, expectativas e projeções são ‘portais’ para o início da transformação.

É preciso trazer a consciência da verdade, e a verdade precisa ser sentida e vivenciada: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. Trazer o observador com a atenção de dentro para fora, ou seja, o que vivo dentro, repercute fora.

A auto-observação como um amplo processo de cura e compreensão será o diferencial do processo.

Vibração do sopro

A incerteza, insegurança e impermanência são as energias desafiadoras para este momento presente. O meu convite é que você abra espaço nesse ‘sopro’, na confiança da vida como ela é e tenha uma visão positiva dos fenômenos desafiadores e desconfortáveis.

Ao mudar a sua frequência (pensamentos, palavras, sentimentos) e o seu comportamento, a qualidade de vida, bem-estar e autorrealização será cada vez mais presente e abundante.

Durante esse retiro domiciliar, é muito importante trazer a atenção para o nosso corpo e, principalmente, o músculo diafragma (onde estão as emoções armazenadas) para que as energias circulem.

O sopro tem essa função: mover energia, aceitar o que é, mas fazer circular.

As duas emoções que regem nossas vidas

Há duas emoções que nos guiam em sua essência: o medo e o amor. Estes sentimentos nos acompanham desde a gestação (na barriga da mãe) até nascimento (mudanças) e, depois, por toda a vida.

“O amor é presença, o medo, a ausência”

Quando presentes, estamos atentos, conscientes, com discernimento, clareza e enfrentamos as adversidades com coragem e determinação.

Quando ausentes, temos preguiça, acomodação, reatividades e medo de mudar.

Vinte e quatro horas por dia temos a possibilidade de escolher se estamos no caminho do medo ou no caminho do amor. O que preferes?

Tudo é energia, tudo é quântico!

O coronavírus afeta principalmente a área respiratória (relacionamentos), o nosso sistema rítmico, ou seja, o ‘como’ agimos nas nossas relações no dia a dia.

Essa é uma ótima oportunidade para observarmos qual a qualidade que estamos cocriando esta realidade que habitamos e o quanto estamos separados e desconectados da natureza (Mãe Terra)

A nível da psicossomática, na área do tórax, concentram-se o coração (coragem. amor) e pulmões (alegria), sentimentos profundos e determinantes para uma vida boa e saudável.

Cocriar é entregar-se à essência daquilo que você deseja criar enquanto permanece aberto aos potenciais, o máximo que puder. Nesse ponto de abertura de consciência (momento presente), é necessário vibrar ou sentir a mais elevada expressão de vida e continuar a expandir continuamente, pois somos um campo de infinitas possibilidades!

Isso quer dizer que devemos despertar para um olhar mais amoroso e compassivo na relação própria (autoinvestigação e compaixão), além de praticar o ‘autocuidado e a autoexpressão’ (qual a voz interna que você escuta diariamente?) e assim também nas relações interpessoais.

Questões existenciais são primordiais:

  • Quem estou/sou?
  • Qual o meu propósito?
  • Como posso ajudar o planeta e as pessoas?

“A verdade é que precisamos de mais tempo para não voltarmos ao mesmo padrão mental que estávamos antes da pandemia.”

Nova era

Antes de uma revolução externa, é necessário que ocorra a revolução interna (a que traz sentido às nossas vidas). Esse é, portanto, o momento de transcendência para que possamos transmutar alguns valores.

Sim, uma nova era e temos um prazo de validade. E este é o momento de revisitar e entender o verdadeiro significado do que é valor e do que é sagrado.

“Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o Universo”, Oráculo de Delfos

Boa prática!

Por Maurício Bastos

Fonte:
https://mauriciobastos.art.br/uma-nova-realidade-um-novo-mundo-esta-se-formando/

Melhore a sua qualidade de vida, suas relações interpessoais, sua saúde.

Medite durante as horas livres dessa quarentena !

Leave a Reply

Your email address will not be published.

14 + dezenove =

pt Portuguese
X